NEWS!

Ghostface, A Identidade Fictícia Adotada Por Personagens Dos Filmes Pânico Volta Com Tudo!

Ghostface, A Identidade Fictícia Adotada Por Personagens Dos Filmes Pânico Volta Com Tudo!

Enquanto os telefones fixos para Ghostface usufruir são, em grande parte, uma coisa do passado, o mesmo não pode e não deve ser dito dos filmes Pânico. A quinta entrada da franquia, intitulada Pânico em vez de Pânico 5, chegou aos cinemas e tem alguns sapatos gigantescos para preencher. Este é o primeiro filme de Pânico que não é dirigido por Wes Craven, que morreu em 2014. Também é apenas o segundo da série que não é escrito por Kevin Williamson, depois do subestimado Pânico 3. Com uma nova equipe criativa no lugar composto pelos diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett (Ready or Not, de 2019), bem como um dos roteiristas do filme, no entanto, o último filme de Scream tem a chance de reinventar mais uma vez a franquia.

Embora este seja o primeiro Pânico sem o envolvimento de Craven, ele se encaixa bem com as outras parcelas da franquia, continuando a sequência de filmes muito bons. Sério, não há um filme Pânico ruim, que é quase sem precedentes quando se trata de uma franquia de terror. Este último passeio se passa anos após os eventos de Pânico 4 e, não surpreendentemente, Ghostface está de volta, cortando seu caminho por Woodsboro. E mais uma vez, Sidney (Never Campbell), Gale (Courteney Cox) e Dewey (David Arquette) precisam mostrar a um novo grupo de possíveis vítimas os prós e contras de sobreviver a um assassino maníaco, enquanto tentam descobrir quem é a pessoa que está sob a máscara.

Ghostface está de volta para abrir caminho através de um novo conjunto de vítimas em Pânico. O último filme da franquia funciona sem a direção de Wes Craven?

Ghostface Imagem 2 1024x576 - Ghostface, A Identidade Fictícia Adotada Por Personagens Dos Filmes Pânico Volta Com Tudo!

Posso dizer que parece que o fanatismo morreu em grande parte depois de uma terrível “requel” (sequência de reinicialização) que mais ou menos joga fora tudo o que os fãs amavam em “Stab” em primeiro lugar. É aí que está o que torna Pânico tão inteligente e o ajuda a se encaixar no resto da franquia. Cada filme de Pânico tem algo a dizer sobre a cultura em que é lançado e como está sendo traduzido para o Cinema. Seja a introdução do meta slasher no primeiro, a obsessão por Hollywood de Scream 3, ou mesmo a ascensão dos smartphones e da tecnologia do quarto filme, esses filmes sempre têm os dedos no pulso da cultura moderna. Com o novo Pânico, você tem um filme examinando o que significa revisitar uma franquia icônica décadas depois de estrear para uma “requel” própria. Para esse fim, ele usa a mesma convenção de nomenclatura do Halloween de 2018, ao mesmo tempo em que aponta os erros que muitas franquias cometeram, incluindo escolher qual tradição seguir e não tratar o personagem que você ama com um nível adequado de respeito.

Até agora, já se passaram 25 anos desde o filme Pânico original, que jogou a vida de Sidney em um liquidificador e a deixou repetidamente juntando os pedaços. Agora, como ela, Gale e Dewey são os estadistas mais velhos para lidar com essa ameaça, eles são empurrados para o papel de mentores, ajudando a próxima geração a navegar por ela. Como Sidney diz em um dos trailers de Pânico para um novo personagem, essa é a vida deles agora. Quer isso signifique que esta é a última posição do trio original ou não, parece que “Scream” está preparando os espectadores para mais episódios com esses novos personagens, caso sobrevivam.

E isso seria mais do que bem-vindo, pois as novas adições à franquia se comportam bem, sendo que algumas delas carregam conexões interessantes com a franquia.

Ghostface Imagem 3 1024x576 - Ghostface, A Identidade Fictícia Adotada Por Personagens Dos Filmes Pânico Volta Com Tudo!

No centro do filme estão Sam (Melissa Barrera) e Tara (Jenna Ortega), irmãs distantes e os mais novos brinquedos de Ghostface. No início do filme, Sam está longe de Woodsboro em Modesto, Califórnia. Naturalmente, uma vez que os ataques começam, ela volta para casa para proteger suas irmãzinhas, desencadeando os eventos do filme. Barerra e Ortega brilham em seus papéis. A química entre eles é crível e a relação tensa entre eles é de partir o coração. Quando você adiciona Richie (Jack Quaid), o namorado adorável de Sam, mas completamente despreparado para o Ghostface, à mistura, cria um trio divertido. Depois, há Jasmin Savoy Brown e Mason Gooding, que interpretam os gêmeos Mindy e Chad Meeks-Martin, sobrinha e sobrinho de Randy, de Jamie Kennedy, que continuam seu legado como fãs de Cinema e nerds. A grande diferença é que agora, em 2022, os nerds do Cinema são legais. Esses dois também trazem muito do humor do filme à tona, onde a dinâmica deles juntos é divertida de assistir e Brown, é engraçado.

Além de tudo isso, Dylan Minette aparece como Wes Hicks, filho de Judy Hicks (Marley Shelton) de Pânico 4. Isso é a chave para algo que “Scream” faz bem, que é humanizar Judy. Em Pânico 4, ela era mais ou menos uma piada para Gale zombar. Agora, porém, ela é uma personagem completa que o filme faz você se importar. O filme também apresenta Sonia Ben Ammar (Liv) e Mikey Madison (Amber) como membros do grupo de amigos de Tara. Embora eles não tenham conexão com os filmes anteriores que conhecemos, também se encontram à mercê de Ghostface. Na verdade, esses são os únicos dois personagens “principais” que poderiam ter usado um pouco mais de profundidade ao longo de toda a história.

Ambas as atrizes estão envolvidas no filme, mas se sentem um pouco encostados, em comparação com o quanto conhecemos o resto dos personagens.

E, claro, não podemos falar sobre este filme sem discutir Sidney, Dewey e Gale. Os três atores que apareceram em todos os filmes de Pânico desde o início estão ótimos como sempre. E o que é tão empolgante em vê-los neste filme é como eles mudaram desde o último filme. Eles estão todos em lugares completamente diferentes em suas vidas do que quando os vimos pela última vez em Pânico 4, e isso cria alguns momentos maravilhosos e também de partir o coração quando eles estão na tela juntos. Essas três pessoas estão ligadas por um trauma compartilhado que enfrentaram repetidamente ao longo de suas vidas, e “Scream” é um lembrete assustador do que consegue reunir sua pequena família uma e outra vez. Em última análise, o filme funciona como uma carta de amor não apenas para Wes Craven, mas também para o tipo de horror exagerado que ele adorava e o gênero de terror como um todo. A diferença é que a apreciação pelo horror evoluiu como o Cinema moderno de grande sucesso. E assim como em outras franquias, temos easter eggs e referências.

Por fim, a grande diferença aqui é que os espectadores nunca são atingidos na cabeça. Sejam nomes de personagens, nomes de ruas ou referências a eventos passados, o filme é um dia de campo para os fãs de terror, garantindo que nunca pareça que nenhuma dessas referências distraia a história que está sendo contada. As mortes continuam brutais e, às vezes, mais do que nos filmes anteriores, o humor permanece autorreferencial e sarcástico, e a tensão nunca diminui desde os minutos iniciais até o clímax violento. Este é um filme Pânico, por completo e, ainda assim, nunca parece sem originalidade. Os diretores Bettinelli-Olpin e Gillett, assim como os escritores James Vanderbilt e Guy Busick, entregaram um filme mais do que digno.

___________________________________________________________________________________

Se você gostou, não deixe de participar através de sugestões, críticas e/ou dúvidas. Aproveitem para assinar o Blog, curtir a Página no Facebook, interagir no Grupo do Facebook, além de acompanhar publicações e ficar por dentro do Projeto Universo NERD, de sorteios, concursos e demais promoções.

Tags:
Reinaldo Vargas

Professor, Streamer, Parceiro do Facebook Gaming e ArenaXbox.com.br, Idealizador do UniversoNERD.Net, integrante do Podcast GameMania e Xbox Ambassador. Jogador de PlayStation e Xbox!

Postar um comentário