NEWS!

Battle Princess Madelyn No Estilo Metroidvania

Battle Princess Madelyn No Estilo Metroidvania

Eu acredito que poucos games usam suas inspirações tão orgulhosamente quanto a Batalha da Princesa Madelyn ou Battle Princess Madelyn. A partir do momento em que você coloca os olhos em sua detalhada arte de pixel e vê Madelyn vestindo armaduras jogando lanças nos mortos-vivo em um pântano escuro, você imediatamente terá flashbacks da clássica série Ghosts’n Goblins. E quando a Princesa da Batalha Madelyn está no auge, ela realmente parece um sucessor digno dos games de mesmo gênero das antigas.

E infelizmente, esse game é apenas metade da Battle Princess Madelyn, pois o restante é uma tentativa fracassada de reciclar níveis cheios de armadilhas, inimigos difíceis e plataformas complicadas em uma fórmula de Metroidvania.

Sobre Battle Princess Madelyn

A Princesa descobre a dura realidade sendo sequestrada por um feiticeiro malvado. Na esteira de tal tragédia, ela se propõe a encontrar e derrotar o demônio, mas ela não está sozinha, pois com a alma de seu falecido cachorro Fritzy, terá a oportunidade de lutar e ajudar a revivê-la quando entrar em combate. Você irá explorar criptas assustadoras, cavernas, picos vulcânicos, campos assombrados e águas perigosas na busca de salvar seus entes queridos, e certamente não será fácil. É uma premissa simples, mas eficaz, e o truque do cãozinho fantasma acrescenta um pouco de originalidade na história. Bora saber um pouco mais?

Existem dois modos de jogo: Arcade Mode e Story Mode. Ambas as opções seguem a mesma história, mas apresentam de uma maneira diferente. O Modo Arcade é curto em diálogos e cinemáticas e tem longa ação, enquanto o Story Mode é muito mais profundo, apresentando um mundo semi-aberto, história para progredir, itens e segredos para descobrir, além de NPCs para interagir. Os movimentos nos dois modos são semelhantes, embora no Story Mode, Madelyn precise encontrar itens necessários para progredir e ganhar habilidades; no modo arcade, ela tem as habilidades necessárias desde o início (além de armas opcionais).

E é no modo Arcade que você verá mais a inspiração do Ghouls’n Ghosts. A armadura quebrável, as várias armas como lanças e machados, as ondas de zumbis rastejantes que tornam difícil ficar em um lugar por muito tempo. No geral, o game melhora a fórmula do Ghouls’n Ghosts de alguma maneira, pois o salto duplo de Madelyn é muito mais fácil de controlar e sua força vital, alimentada pela magia de Fritzy, pode ser a reposta para eliminar mais inimigos. A personagem também pode gastar um pouco da magia de Fritzy para realizar um ataque homing em um inimigo, o que é uma grande ajuda em áreas mais complicadas.

Embora o game realmente não explique os controles, você saberá o que fazer, especialmente se já experimentou games simples de plataformas 2D anteriormente.

O Arcade Mode é a melhor parte da Battle Princess Madelyn, mas é um game de plataformas de ação difícil que recompensa sua atenção e apresenta ambientes memoráveis, plataformas complicadas e alguns encontros realmente legais com chefes enormes. E sim, você terá que reiniciar o nível inteiro se o poder mágico vivificante de Fritzy secar, mas isso é parte da experiência da “velha escola gamer”. Essa experiência retro possui ótima trilha sonora que realmente ajuda a fazer o game parecer uma relíquia esquecida.

Enquanto o Modo Arcade é uma ótima experiência para os fãs de ação que buscam desafios, o Story Mode é uma grande decepção de fato, pois é um esforço para tentar encaixar um típico game de plataformas preciso e paciente em um molde de gameplay baseado em exploração que muitas vezes falha de maneiras incrivelmente frustrantes. Infelizmente, o Story Mode também é o modo padrão, o que significa que a maioria das pessoas deverá jogar primeiro e provavelmente, ter algum tipo de decepção.

O Story Mode fará você explorar várias áreas interconectadas baseadas em conceitos de design similares àqueles vistos no arcade, mas com layouts diferentes. Suas habilidades são limitadas no começo,e para progredir, precisará vasculhar áreas para encontrar rotas, itens e NPCs que irão ajudá-lo em sua missão.

Os problemas do Story Mode tornam-se óbvios no início e pioram à medida que avança!

E para esclarecer, as áreas “grandes” e carregadas de perigo apresentam poucos pontos de checagem, significando que perder toda a energia de Madelyn resulta em um recomeço, um revés tolerável em um modo arcade linear, mas endurecedor em um game de exploração. Muitas dessas áreas tendem a parecer muito semelhantes em termos de adereços e planos de fundo, portanto, a menos que o nível em que você esteja tenha um caminho muito linear, você pode ter sérios problemas para descobrir como voltar a um local específico.

Além disso, muitas coisas simplesmente não são insinuadas ou explicadas bem. Uma forma de o game tentar guiá-lo é com uma mão de esqueleto ósseo que às vezes aparece na direção geral de itens importantes, mas é menos útil e mais frustrante quando os meios para chegar a esses itens são difíceis de discernir.

Por fim, pontos complicados surgem frequentemente, alguns dos quais são necessários para prosseguir. É fácil esquecer qual personagem precisa ser resgatado, e não há um log de missões ou uma maneira intuitiva de lembrá-lo do que é necessário. Comparado com os desafios de games de ação, os desafios do Story Mode são frustrantes, pois muitas vezes não conseguem dizer exatamente o que você deveria fazer, deixando você vagar sem rumo através de enorme es mapas perigosos na esperança de que você possa encontrar alguma coisa.

A Batalha da Princesa Madelyn parece fantástica, e metade do jogo é um delicioso retrocesso espiritual para uma série de games de ação que adorávamos no passado. 

É uma pena que a outra metade arraste todo o pacote, além de alguns problemas de desempenho, como lentidão e travamento ao passar pelos menus, também não ajudam. Há pelo menos um bom game no “pacote”, mas não é justo recomendá-lo quando o modo de game que é apresentado como centro das atenções deixa a “peteca” cair quando as coisas começam a ficar interessantes.

______________________________________________________________________________

Se você gostou deste artigo, não deixe de participar através de sugestões, críticas e/ou dúvidas. Aproveitem para assinar o Blog, curtir a Página no Facebook, interagir no Grupo do Facebook, além de acompanhar publicações e ficar por dentro do Projeto Universo NERD, de sorteios, concursos e demais promoções.

< x >

Tags:
Reinaldo Vargas

É Idealizador e Autor do UniversoNERD.Net. Gamer desde o Atari 2600, Streamer, Blogueiro e Professor Universitário de profissão e paixão. Sempre informado sobre games, tecnologia, ciência e ensino. Um Xbox Gamer, Insider e Preview, adora a Bethesda e a Rock Star e ama produzir conteúdo. Gamertag: reavargas

Postar um comentário