NEWS!

Marvel’s What If…? Parece Ter Muito potencial

Marvel’s What If…? Parece Ter Muito potencial

Se tivéssemos que resumir os programas relacionados ao Universo Marvel na Disney + em uma única palavra, “experimental” seria a melhor opção. Do surrealismo repleto de cultura pop da WandaVision às sensibilidades do thriller de ação de Falcon e do Soldado Invernal à viagem no tempo que distorce o gênero de Loki, a Marvel Studios parece empenhada em lidar com suas muitas franquias de todos os ângulos possíveis. Agora, com o lançamento de What If … ? (ou E se?), é hora do estúdio realmente ver até onde podem ir.

Esse primeiro programa tem espaço para crescer, mas abre muitas possibilidades interessantes para além do apresentado!

Marvels What If Imagem 1 - Marvel's What If...? Parece Ter Muito potencial

A premissa de “What If…?” será familiar para qualquer pessoa que já pegou uma HQ. O multiverso foi oficialmente aberto, graças ao final da 1ª temporada de Loki, e agora há um número infinito de realidades ramificadas no tempo e no espaço neste universo da Marvel. Para observá-los todos, temos um novo personagem, Uatu, o Vigilante (Jeffery Wright), que não pode intervir ou afetar qualquer uma dessas realidades fragmentadas, mas, em vez disso, pode apenas fazer o que seu nome implica e observá-las. Essas realidades ramificadas podem ser criadas pela menor mudança, como um personagem parado em um lugar diferente quando experimenta um evento que vimos se desenrolar no universo Marvel, ou por eventos massivos, como personagens principais sendo mortos antes mesmo de terem uma chance para vestir seu traje de herói.

Cada episódio aborda uma realidade diferente e apresenta um elenco diferente de rostos familiares, muitos dos quais são dublados por seus respectivos atores de live-action. Na verdade, muitos deles são dublados por estrelas da lista A que os interpretam em outras produções da Marvel que são extremamente estranhos ouvir vozes desconhecidas saindo de personagens como Steve Rogers e Natasha Romanoff, já que, por qualquer motivo, nem Chris Evans nem Scarlett Johansson voltou para a série. Suas substituições dão uma impressão perfeitamente útil, mas é definitivamente perceptível.

Também é óbvio quais dos atores live-action que assinaram têm dublagem, porque nem todos têm, o que resulta em algumas performances totalmente inconsistentes entre os episódios.

Marvels What If Imagem 2 - Marvel's What If...? Parece Ter Muito potencial

Inconsistência é realmente o nome do jogo em “What If…?” A Disney forneceu os três primeiros episódios para análise e, entre todos, o segundo foi de longe o mais forte. O primeiro lida com o cenário altamente divulgado do Capitão Carter, onde Peggy Carter acaba tomando o soro do super soldado em vez de Steve Rogers, mas é um começo menos do que ideal para a série. A história é atolada por performances vocais desajeitadas e uma forte dependência de seguir as batidas exatas de The First Avenger, exceto com bastante frustrante apontou “mas você é uma menina!” tipos de lado para realmente enfatizar o fato de que gênero é literalmente a única coisa que diferencia Peggy de Steve nesta situação. O Episódio 3 aborda o mistério do assassinato na fundação de Os Vingadores, onde a grande reviravolta revelada é interessante, mas quase fora do campo esquerdo para realmente causar um impacto. Certamente é melhor que o primeiro, mas não merece o que deveriam ser seus momentos culminantes.

Enquanto isso, o Episódio 2, que apresenta a performance final do universo da Marvel de Chadwick Boseman como T’challa, é um empecilho. A premissa, que T’challa se torna Star-Lord em vez de Peter Quill, é interessante o suficiente, mas o resultado final é um remix alegre e inspirado de todo o canto cósmico. Ele ainda fornece alguns acenos divertidos para a história em Guardiões da Galáxia da Disneylândia: passeio de fuga da missão e um fluxo contínuo de piadas incrivelmente autoconscientes que não estragaremos.

Este episódio resume o potencial de “What If…?” e deixa você com fome de mais; então, com um pouco de sorte, será a regra ao invés da exceção para o resto da temporada.

A única parte de “What If…?” que é totalmente consistente em cada episódio é o estilo de animação. Em algum lugar entre A Scanner Rotoscopia com sabor escuro e desenhos animados gráficos ousados, a estética geral e é interessante e cinética, e é algo totalmente novo no panteão lotado de shows de super-heróis animados. O fato de que a estilização permanece a mesma enquanto cada episódio da série de antologia muda tão drasticamente foi uma jogada inteligente que ajuda a série inteira a se sentir como uma entidade coesa, especialmente quando o resto é tão crivado de picos e vales.

Por fim, “What If…?” é um divertido, embora um pouco falho, experimento para a Marvel que ostenta a disposição da Fase 4 de arriscar, mesmo que nem sempre valha a pena. Não vai gerar o mesmo tipo de especulação estridente e teorização que seus predecessores live-action, mas se tiver sorte, vai encorajar os fãs a realmente começarem a refletir sobre a questão titular de suas próprias maneiras,.

______________________________________________________________________________

Se você gostou, não deixe de participar através de sugestões, críticas e/ou dúvidas. Aproveitem para assinar o Blog, curtir a Página no Facebook, interagir no Grupo do Facebook, além de acompanhar publicações e ficar por dentro do Projeto Universo NERD, de sorteios, concursos e demais promoções.

Tags:
Reinaldo Vargas

Professor, Streamer, Parceiro do Facebook Gaming e ArenaXbox.com.br, Idealizador do UniversoNERD.Net, integrante do Podcast GameMania e Xbox Ambassador. Jogador de PlayStation e Xbox!

Postar um comentário