NEWS!

O Uso Incorreto De Unidades De Medida (Final)

O Uso Incorreto De Unidades De Medida (Final)

Chegamos a parte 3 e final do post especial sobre “O Uso Incorreto De Unidades De Medida“, e vamos agora abordar sobre os principais motivos que estes erros mais comuns são cometidos quando o assunto se trata justamente de algumas das unidades de medidas mais conhecidas ou utilizadas.

Por que isso normalmente acontece?

Pois bem caros leitores … se, de um lado, é mais difícil encontrarmos textos errados quanto à sua ortografia e concordância, por que é mais fácil encontrar textos contendo erros no uso de unidades de medida e de suas ordens de grandezas? A resposta pode ser encontrada em alguns fatos que podemos constatar. Vamos lá!

Enquanto a língua portuguesa nos é ensinada durante anos, em diversos níveis, muitos dos profissionais de atividades técnicas terminam o seu estudo profissionalizante ou mesmo a graduação e pós-graduação, sem uma sólida formação quanto ao uso de normas técnicas, de unidades de medida e de suas principais ordens de grandezas, por absoluto “descuido” de seus professores e pela falta de dedicação aos estudos.

Antes de prosseguirmos com o assunto, é importante destacar que existe uma curiosidade em torno da adoção ao Sistema Internacional de Unidades (SI) ao redor do mundo. Observe a ilustração a seguir e identifique os países que estão com cor cinza! Observe com cuidado …

Os países que adotaram oficialmente o Sistema Internacional de Unidades

(SI) em cor verde. Apenas três das 203 nações ainda não adotaram oficialmente o SI como seu sistema principal ou único de medição: Estados Unidos da América (EUA), Libéria e Mianmar. EUA é o único país industrializado do mundo que possui uma “aversão” (por interesses próprios) ao uso do SI.

Após a curiosidade (ler a legenda da ilustração para mais informações), percebemos claramente a importância do uso e conhecimento, pelo menos das unidades conhecidas como básicas, do SI.

Agora pergunto: Quantos dos leitores deste post utilizaram as normas técnicas em suas aulas de metodologia científica, de projetos, entre outras? Claro que tem que ser da área da ciência ou tecnologia. Mas posso afirmar com segurança que não corresponde à realidade a alegação que “o texto de norma não é adequado ao ensino”, sempre que, juntamente com o uso da norma, sejam dadas explicações técnicas para o seu entendimento, o que, aliás, é essencial para que o profissional saiba usar uma norma técnica!

Um alerta, portanto, a alguns dos nossos caros professores dos diversos níveis de ensino!

Outro problema é que, geralmente, o livro (ou texto base) que utilizamos como alunos, frequentemente está desatualizado em relação às normas a que deve atender. Esse fato ocorre devido à falta de cuidado dos autores e editores em mantê-los atualizados, tanto quanto às normas quanto ao que vimos um pouco em relação ao uso correto (com detalhes) das unidades básicas do SI (ver post Parte 2 desta série).

O que estou afirmando quanto aos livros técnicos, se amplia também para revistas técnicas e sites, com algumas exceções. Infelizmente, em muitos destes veículos de informações ocorrem as mesmas deficiências. De um modo geral, a regra é a seguinte: um livro, um artigo, um relatório, um texto, enfim, tudo que não respeita os documentos mencionados (ver post Parte 1 desta série), pode perfeitamente ser considerado sem validade e, portanto, não confiável.

Agora caros leitores … sem analisar os critérios que devem ser adotados, é importante observar que a redação correta de “valores numéricos” também está definida no Quadro Geral de Unidades de Medida no Brasil (escrito pelo Inmetro e de acordo com o SI). No site do Inmetro, podemos encontrar modos diferentes para escrever as unidades de medida em documentos técnicos, jurídicos e comerciais.

Portanto, para se informar adequadamente a respeito, sugerimos consultar a bibliografia técnica especializada (todos os principais links estão no post Parte 1 desta série).

Para destacar um pouco mais da importância, vamos terminar esta série com um exemplo clássico de redação incorreta de um “valor numérico” numa aplicação técnica: imaginem a indicação de uma distância em “1.000 m”, ao invés de “1 000 m”. Você sabe qual é a forma correta e de acordo com a norma do Inmetro? Não se deve usar o ponto separando os números em grupos de três em três”. A regra estabelece deixar apenas um simples intervalo (1 000), ou escrever os números juntos (1000).

Bem caros leitores … espero que esta pequena e relevante série de 3 posts tenha sito útil de alguma forma para vocês. A opinião de cada um de vocês é extremamente importante para os autores/resenhistas da equipe do Projeto Universo NERD trazer sempre textos com utilidade e qualidade. Opine nos comentários deste post ou envie um e-mail para contato@universonerd.net. Até a próxima!

_____________________________________________________

O “Uso Incorreto De Unidades De Medida” é uma série especial e dividida em 3 partes onde o autor aborda sobre as incorreções mais frequentemente encontradas quando o assunto se trata justamente de algumas das unidades de medidas mais conhecidas ou utilizadas. ESTE É O TERCEIRO E ÚLTIMO TEXTO DA SÉRIE!

O SEGUNDO pode ser acessado em: O Uso Incorreto De Unidades De Medida (Parte 2)

O PRIMEIRO pode ser acessado em: O Uso Incorreto De Unidades De Medida (Parte 1)

Se você gostou deste post não deixe de registrar sua participação através de sugestões, críticas e/ou dúvidas. Aproveitem para assinar o Blog e o canal do YouTube, acompanhar nossas publicações e ficar por dentro do Projeto Universo NERD, de sorteios, concursos e promoções!

Tags:
Reinaldo Vargas

É Idealizador e Autor do UniversoNERD.Net. Professor Universitário e gamer nas horas vagas. Sempre informado sobre ensino, ciência, tecnologia e games.

Postar um comentário